sarampo

Correio da Bahia

Desde o início do ano, foram confirmados nove casos de sarampo na Bahia – oito são novos. Destes, são sete moradores da cidade de Santo Amaro, no Recôncavo baiano, acometidos com a doença – na localidade já foi decretado um surto. Os demais episódios foram em Jacobina e Salvador – o caso na capital baiana foi importado da Espanha.

Ao todo, a Bahia teve 467 notificações da doença. Destas, já foram descartadas 254 suspeitas e 204 ainda estão em investigação. Das oito novas pessoas infectadas, seis não eram vacinadas e outras duas apresentavam esquema vacinal incompleto, segundo informou o secretário da Saúde do Estado da Bahia, Fábio Vilas-Boas, em nota.

“Mais uma vez fica evidenciado que a única medida efetiva de prevenção contra o sarampo é a vacina Tríplice Viral. Intensificaremos as ações de busca ativa e da vacinação de rotina nos municípios de fronteira e nos municípios incluídos na rota de deslocamento da população”, afirma Vilas-Boas.

Os casos confirmados de sarampo de Santo Amaro envolvem pacientes com faixa etária entre 9 meses e 26 anos. Apesar de residirem na cidade do Recôncavo, as primeiras notificações foram feitas pelas cidades de Itagibá e Feira de Santana. Já no caso de Jacobina, a paciente possui 9 anos e tem o sistema vacinal incompleto.

Além destes oito novos casos confirmados em Santo Amaro, existem outros sete em análise no mesmo município. De acordo com o técnico sanitarista da coordenação de imunização do estado da Bahia, Ramon Saavedra, as ocorrências na cidade do Recôncavo são classificadas como um surto devido ao vínculo epidemiológico entre os casos.

“As investigações preliminares indicam que os enfermos conviveram em um dado momento no mesmo ambiente. As entrevistas indicam que todos os casos têm vínculo, daí é um surto, pelo aglomerado e devido ao vínculo. Em uma epidemia, os casos estão mais distribuídos e sem vínculo”, explicou.

Também foi identificado que os enfermos de Santo Amaro circularam pelo estado e viajaram para Minas Gerais durante o período de transmissão do vírus. De acordo com os pacientes entrevistados, as cidades visitadas foram Bom Jesus da Lapa, Feira de Santana, Gandu, Ipiaú, Itagibá, Ituberá, Salvador, Santo Antônio de Jesus, São Francisco do Conde e Simões Filho.

Mesmo com a concentração dos casos confirmados, Saavedra afirma que as ações de prevenção e combate acontecem em todo o estado. Com a locomoção dos infectados, a Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) aponta o alerta para a Bahia, em especial nas cidades limítrofes de onde foram registrados os doentes.

“Toda a Bahia está em estado de alerta. Não vamos trabalhar com áreas prioritárias. Ontem confirmamos os oito casos, mas as ações precisam ser desenvolvidas para não acontecer em outras regiões. Estamos em um momento de decréscimo das coberturas vacinais nos últimos anos. Com isso, teremos grupos de pessoas vulneráveis ao vírus que circula no país”, afirmou Saavedra.

Segundo o técnico sanitarista, os dados preliminares apontam que 65% da população baiana está imunizada. A meta é uma cobertura vacinal de 95%.

De acordo com o secretário de saúde de Santo Amaro, Holmes Filho, o município já tomou todas as medidas de contenção do vírus. “Desde a primeira suspeita fizemos o bloqueio da área. Hoje estamos com uma ação intensificada nos bairros de Sacramento, Derba, Bonfim e Caixa D’água. Monitoramos os bairros e fizemos a vacinação de casa em casa”, disse.

Às 16h desta quarta (2), o secretário da Saúde do Estado vai ser reunir com prefeitos e secretários municipais de saúde de Cachoeira, Candeias, Santo Amaro, São Félix, São Francisco do Conde, São Sebastião do Passé, Saubara, Salvador, Itaparica, Lauro de Freitas, Madre de Deus, Vera Cruz, Camaçari, Conde, Dias D’Ávila, Mata de São João, Pojuca e Simões Filho. No encontro, será discutida a situação epidemiológica do sarampo e as ações a serem desenvolvidas para prevenção e controle da doença na Região Metropolitana de Salvador (RMS).

Uma campanha de vacinação nacional contra o sarampo vai acontecer nos meses de outubro e novembro. De 7 a 25 de outubro, começa a intensificação da vacinação para crianças maiores de seis meses e menores de cinco anos.

Já de 18 a 30 de novembro ocorrerá a campanha de imunização de jovens entre 20 e 29 anos. Saavedra ressalta que quem ainda não está imunizado deve comparecer aos postos de saúde para completar a vacinação.

*Com orientação da chefe de reportagem Perla Ribeiro